Octopus Mom – Histeria, ou frustração?

Sempre nos dizem que a Tina é um criança cordata, não sabemos até que ponto já que nosso olhar sobre o caso jamais seria isento, mas é um fato empírico de que conversar, para ela, é sempre o melhor caminho. Diria que uma boa respiração profunda e uma conversa clara (mentir pra criança jamais!) salvaram muitos dias.

Até que em episódios recentes de drama nossa filha resolveu mostrar o lado escuro da lua. Quando começou a chorar do nada e expor suas frustrações guardadas, conhecemos um novo tipo de episódio. Diferente da histeria abordada AQUI, surgiu: A Desolação.

sad-crying-boy-wallpaper-viewing-gallery-alone-images-wallpaper-hd-download-with-quotes-wallpapers-for-facebook-2013-sad-feeling-2012-boy-girl

Começou em dezembro com um assunto bem específico e desde janeiro o tema virou para a mudança de casa. Assuntos que ficaram em aberto na cabeça dela e que a colocaram em situações completamente desconhecidas, mesmo que explicados a esmo.

A crise de desolação não envolve choro falso, se jogar no chão, nem gritinhos. Aqui envolve argumentos fortes, choro real e uma tristeza que não passa. Além disso, começa com um assunto X e vai costurando com todos os sentimentos que ficaram mal resolvidos…

Complexo?

sad-kid-hd-wallpaper

Se você não passou por isto ainda, não sei se consigo explicar a complexidade. Qualquer situação furada no nosso dia pode desencadear uma crise: fome excessiva, sono, machucados, falta de atenção ou saudade. Nossa, sua filha passa por tudo isso?

Ah! Gente, sem hipocrisia, todo mundo passa, né? Um dia que você emenda trabalho, escola, mercado; ou quando precisa fazer janta e lavar roupa e não dá tempo de se dedicar totalmente a brincadeira; enfim… Não sou uma mãe ausente, mas não existe ser perfeita.

Voltando ao assunto… Qualquer janela pode virar uma crise. Ela senta, fala o que está pesando, chora incessantemente e não aceita nada.

Love

Tentamos vários caminhos… Dos livros, técnicas, insights, até os malditos subornos. Nada. Ela chora até esvaziar, sozinha ou acompanhada, na cama ou no colo, tanto faz.

Meu caminho preferido de mãe é por ela no colo e conversar, esclarecendo todas as suas dúvidas e reconfortando na abraçoterapia. Ela tende a se acalmar mais rapidamente e parece mais confiante quando passa a tempestade.

Mas confesso, por vezes tenho me sentido insuficiente. Será que você aí do outro lado não teria nada pra dizer? Compartilhe problemas, soluções e afins. Quando juntamos experiências temos sempre mais. <3

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.