Miojo e Suco Verde – O gato subiu no telhado

12884619_10208913396460317_647196566_nAceita! Respira. Sossega. Desapega! Pronto, já podia terminar por aqui. O fim da história nós já sabemos, é só o fim. Sim! Acabou mais uma história, agora!

Esse é o meu ultimo texto para essa coluna, Miojo e Suco verde. Contraditório ou (eu diria) equilibrado. Sentimental, pessoal e exagerado. Até que tentei falar sobre saúde e bem estar, mas em semanas mais intensas, bem vividas, não podia falar de outra coisa que não fosse minhas experiências, minha vida.

Um turbilhão de emoção, pensamentos, sentimentos contextualizados em palavras direcionadas a você. Sim! Você, que noutro dia me mandando uma mensagem dizendo que leu o meu texto. Ai… Que prazer em te encontrar. Eu estava mesmo pensando em você. Nosso encontro já foi consagrado. Mas agora acabou. Nem miojo nem suco verde. Nem mais encontros semanais.

Se já nos conhecemos, de certo, já nos despedimos alguma vez. Se já nos conhecemos, de certo, temos uma boa historia pra contar, e cada historia é mesmo assim: com inicio, meio e fim.  Exatamente como a nossa. Então não vamos lamentar porque afinal é disso que somos feitos: encontros, desencontros e despedidas. E acredite, acho que a melhor coisa é ser assim, imagina que chatice seria ficar preso a uma historia sem fim?!

Escrever foi a válvula de escape que eu achei para me expressar. No meu dia a dia faltava uma forma de arte  (viva adulta, mundo corporativo, bom comportamento, louça pra lavar, exercício físico, MBA, conta pra pagar) SACO! “Domingo meia noite e eu nem comecei a escrever. Pra que que fui inventar?” (casa vazia, cheiro da comida que acabei de cozinhar. Sonhar, experimentar, pensar, dançar, gargalhar) SORTE! “Tenho alguém para compartilhar.”

Totalmente despretensiosa, acabei virando colunista/escritora/blogueira (acho graça), não que eu me identifique como tal. Talvez era mais um personagem para assuntos que surgiram, palavras fluíram, como um eu-lírico. Mais saudável, bem resolvida, entendida e esclarecida. Se você me conhece, sabe que eu sou muito mais poesia do que pragmática. Cresço, cresço mas ainda não conheço uma metodologia mais eficaz do que seguir o coração, esse danado onde mora nossa verdade. Tudo muito organizado não combina comigo, que sou tempestade.

O fim dói, mas é saudável. Escrever o último texto de uma coluna que vai acabar, é como se fosse o primeiro passo de uma corrida, onde o começo é sempre desacelerado até a gente apertar o passo e o coração fica em descompasso. Nessa hora a única coisa que temos pra fazer é: ir. 

O texto já está grande, eu vou! Com um cisco no olho e a ordinária sensação de dever cumprido.

Muito obrigada por ter lido.

3 thoughts on “Miojo e Suco Verde – O gato subiu no telhado

  1. Amei ler essa menina, quanta graça, quanta vida , quanto compasso e tantos passos para só 24 !!! Tudo tem um tempo mas esse foi mto rápido … Era divertido ler todos vcs …. Sempre um tok , sempre uma mensagem e muitas vezes a novidade da semana ! Não se percam …. Nada é por acaso !!!

  2. Que pena!!!
    Sentirei falta do texto atrevido, doce, meio apimentado às vezes, irreverente, criativo!
    Semanalmente, quando terminava de ler seus textos sentia uma lufada de juventude, energia de vida saudável, positividade.
    Se aqui acabou é que foi o final da historia, como você mesmo disse. Mas outra ja começou, você transborda criatividade. Nos delicie com seus textos, continue publicando, siga para a proxima historia e compartilhe conosco. Beijos

  3. Ahhhh Vi nao estou acreditando q vc vai parar de escrever…de mostrar suas ideias , seu jeito menina- mulher de encarar a vida, de dar seus depoimentos que tanto me fazia entender os ” jovens”. Seus textos sempre muito bons, da vontade de sempre ler ate o final…Invista nesse seu lado , quero saber mais e mais…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.