Haja Amor – Dores Invisíveis

Éramos jovens e nos amamos perdidamente. Seria um romance pra se lembrar por uma vida inteira, não fosse o fato de que por trás das fotos lindas, eu dormia chorando sempre.

Eu bebia demais, transava demais, falava palavrão demais sob o olhar dele; ele me achava doente e me tratava como tal, mas me amava e também em tratava como uma princesa quando não estava fora de si.

Ele se tinha como um príncipe encantado e achava que eu era uma biscate (baseado em coisas que achava que sabia sobre mim de ouvir por aí); era um cara super possessivo e tinha ciúme do irmão, aliás de todas nossas famílias. Vivia com um discurso de que homem e mulher não podem ser amigos…

A coisa tomou uma proporção tão grande que tive ciúmes das MINHAS amigas, me afastei dos meus amigos, mentia até pra ir na padaria para não ser exorcizada, comecei a ter ciúmes dele no mesmo nível. E a loucura cresceu ilimitada.

O que acontecia é  que ele estava sempre certo nos ciúmes e achismos dele; mas eu era uma megera louca que estava sempre errada. Ele via certo, eu via demais. Me dava tantas voltas que eu acreditava; as pessoas ao redor acreditavam que era eu A possessiva…

Dormi muitos anos chorando ao lado dele. As vezes rezava pra ele me bater, porque achava que se ele me agredisse fisicamente seria o ponto final… Até hoje fecho os olhos e vejo a janela de ferro com vista verde e sinto o peso de me sentir numa gaiola.

Eu, apaixonada, arrastei por anos o relacionamento. Acreditando sempre que a gente tinha se perdido e ia se encontrar; que não éramos aquelas pessoas; que ele me amava. Até levar um pé na bunda! Ainda por cima sofri! Me senti todo aquele lixo que ele me propunha que eu era.


No mês da mulher vamos aproveitar para falar de relacionamentos abusivos!

As pessoas se amarram no amor possessivo, afinal o ciúme valoriza, né? E-R-R-A-D-O! A crônica acima retrata um relacionamento abusivo comum (?!) e NÓS precisamos conversar sobre isto.

Não história havia violência física, paupável, visível, mas a violência psicológica é tão voraz que um ser humano pode viver anos duvidando de si e, mesmo após o fim, demorar outros anos pra entender o acontecido.

As “pequenas violências” ninguém vê e podem acabar com uma vida inteira. Normalmente, viram piada, faz se pouco caso… Precisamos entender que não existe um nível mínimo de violência, não existe só um pouquinho, TODA VIOLÊNCIA É VIOLÊNCIA!

Ciúme é uma doença. Amor real é liberto. Relacionamentos precisam ser saudáveis. Reflita sobre a sua vida, sobre a vida das pessoas que você ama, PROCURE AJUDA!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.