Entre cafés – O Grande Gatsby

O que significa o verão para você? É uma época pra ir à praia? Ou pra ir a grandes festas onde tudo pode acontecer? É uma época para encontros casuais ou grandes romances? Época pra mudar de vida e descobrir o mundo ou viver uma aventura? Para Nick Carraway o verão de 1922 teve um pouco de tudo isso e hoje vamos de verão glamour com O Grande Gastby de F.Scott Fitzgerald.
gatsby
O Motivo: Em 2013 assisti o filme (a versão de 2013, com o Leonardo DiCaprio e Tobey Maguire) e gostei tanto que indiquei pra muita gente. Ano passado dei o livro de presente pro meu namorado (que acabou gostando muito do filme graças à minha indicação) e diante da empolgação dele acabei ficando com vontade de ler também. A trama se passa no verão e mostra aquela alegria e vontade de festejar que sentimos (eu pelo menos sinto) no verão.
O Livro: Nick Carraway decide passar um ano aprendendo a trabalhar com o mercado de ações em Nova Iorque e acaba se mudando para um humilde chalé em West Egg, moradia dos novos ricos de Long Island. Em East Egg, lar de famílias ricas ha gerações vivem a prima de Nick, Daisy e seu marido Tom Buchanan. Em um jantar na casa deles Nick conhece a golfista Jordan Baker que lhe fala pela primeira vez sobre seu vizinho. Ele então descobre que na mansão ao lado de seu chalé vive o misterioso Gastby, um homem de passado desconhecido e famoso pelas grandes festas que faz todas as semanas. Certa tarde, Nick recebe um convite de Gatsby (que viu apenas à distancia) para comparecer a uma das festas e acaba se tornando amigo do rapaz e oscilando entre o deslumbramento e a decepção com a vida nem sempre tão cheia de glamour dos muito ricos.
Vale à pena?: Sim. A trama fala, acima de tudo, de pessoas. De como os mais variados tipos de pessoas se comportam diante de seus sonhos, ambições, amores, decepções e dificuldades. O pano de fundo é a Nova Iorque do inicio dos anos 20, cheia de sensações e novidades e vale à pena prestar atenção nas contradições deste cenário.
Pra acompanhar: Vou me permitir uma fuga do horário do café pra uma pequena homenagem que tem tudo a ver com o estilo do livro, um Dry Martini.