8,80 – Pau que nasce torto nunca se endireita

Se você não viveu uma infância ao som de É o Tchan, volte duas casas. Põe o som do título do 8,80 de hoje no Youtube e vem descendo na boquinha da garrafa. E agora eu vou te te perguntar: Domingo ela não vai?

Mentira. Ia perguntar isso não. Ia perguntar: por que a gente sempre quer mudar a pessoinha que incomoda tanto a gente?

Já diria o poeta “Pau que nasce torto nunca se endireita”  

Washington, Cumpadi

A sabedoria baiana tentou alertar já lá nos anos noventa. Mas a gente insiste em achar, julgar, massacrar, que se não agisse assim ou assado seria bem melhor. Afinal de contas, se a pessoa reage de um modo que discordo é ela quem tem que mudar. Não eu. Eu não. Eu tô certa.

Só eu penso assim, Brasil?
Acho que não.

Então, vamos repensar essa mania de propor mudanças no comportamento do outro sendo que sou EU quem se incomoda. Como dizem: os incomodados que se mudem. Então, se mude! Bota a mão no joelho, dá uma abaixadinha e vai mexendo gostoso até acabar a mania de querer transformar o outro.

Aceita a mistura do Brasil com o Egito que as pessoas são. (falando sério agora. só agora, antes era zoêra) Um dia fui numa palestra da Monja Cohen (admiro) e ela disse: Se você se incomoda tanto com o marido que bebe, porque não pensa de outra forma? Porque não aproveita o tempo sem ele em casa para fazer o que gosta? Arruma o cabelo, vá à sorveteria, seja feliz, porque ficar se preocupando com o homem no bar não vai te garantir nada além do que alguns fios de cabelo branco a mais.

Precisa mesmo se envolver tanto no defeito do outro a ponto de conquistar uma gastrite para a vida? Tira a miopia do coração e vai ser feliz. Fechar os olhos pra defeito alheio é um exercício, é como ir passando por debaixo da cordinha. Mas depois de alguns meses  você vê o resultado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.